14 de fevereiro de 2018

Viva - A vida é uma festa (Dica de Filme)

Coco (Placcido)

Estou aqui mais uma vez para falar da Pixar, ahhhh Pixar, por que você me tortura tanto. Essa produtora é a responsável por talvez as melhores animações que já assisti na vida, prometo não estar exagerando. E ainda, junto a Pixar, precisamos citar também o diretor Lee Unkrich, que teve também direção em Toy Story 3 e Co-direção em Procurando o Nemo, ou seja, estamos falando de uma parceria de sucesso, que tinha tudo para dar certo, e é claro que deu! 

O filme conta a história de Miguel, um garoto de 12 anos que tem um sonho de ser músico. O problema central é que ele vai contra os “valores” da sua família que proibi permanentemente qualquer tipo de música na casa. Ele acaba indo parar no mundo dos mortos justamente no “Dia dos Mortos”, um famoso feriado da cultura Mexicana.

A obra não é perfeita claro, a lógica de que para “sobreviver” no mundo dos mortos você precisa ser lembrado, pode ter um sub-texto do qual se precisa fazer qualquer coisa para ser famoso, para quando você estiver morto pode ter essa recompensa, obviamente não é essa a mensagem que filme pretende passar. Fora isso, temos que considerar também, que a família não é tudo que se tem na vida, a lógica do filme supervaloriza esse núcleo a tal ponto que pode fazer alguns desistirem de seus objetivos por familiares egoístas (sendo um pouco extremista). É necessário que você saiba quando quebrar a corrente com sua família, e entender que o problema deles nem sempre será o seu. 

Porémmmmmm, a obra arrasa em muitos outros aspectos. A qualidade da animação está em um nível tão incrível, que mesmo eles preferindo não dar características realistas aos personagens, os detalhes são tão lindos que saltam aos olhos dos mais observadores, como a textura da Mama, a poeira do violão velho ou até as pedras colocadas pelas ruas da cidade, nesse quesito a nota só é 10 por que não dá para subir mais.

Coco é também um musical, e ele traz músicas bem divertidas e animadas que ficam alguns dias na sua cabeça. A equipe de produção soube dosar muito bem os momentos das músicas, muito bem colocadas no contexto do filme. Particularmente não sou muito fã de musicais, por que os mesmos em sua maioria tem uma música a cada 5min e isso se torna maçante, no entanto, aqui nessa obra isso não acontece, você nem vai se incomodar caso não tenha amor pelos musicais ... ¡Ay, mi amor! ¡Ay, mi amor!

A obra consegue ainda atingir um público imensamente amplo, ele vai como uma flecha lá no coração de muitos adultos, mas consegue também prender as crianças de uma forma aplaudível, usando elementos como o cachorro meio biruta, um colorido vibrante e animais gigantes, praticamente todas as crianças que estavam perto de minha cadeira no cinema, ficaram lá, quietinhas assistindo.

Sem dar spoilers, o contexto principal do filme é a família, então muito cuidado para não interpretar mal a mensagem, o filme em sí, busca trazer de volta as lembranças e sentimentos por pessoas que você talvez já tenha esquecido, e essa mensagem, quando bem vista, torna o filme ainda mais espetacular do que ele já é. 

Coco sabe emocionar, sabe impressionar com os efeitos visuais, sabe fazer você adorar as músicas, sabe fazer você torcer pelos personagens, sabe prender a atenção das crianças, sabe até fazer você querer assistir de novo. Em resumo é isso, essa animação SABE se destacar, e é por isso que entra para o Hal da Fama das animações, estando para mim, ali ao lado de DivertidaMente. Não é de se surpreender que o filme entrou para lista de indicados a Melhor Animação nesse Oscar de 2018.

Corre no cinema, você provavelmente não vai esquecer desse filme por um bom tempo. Um abraço pessoal!





Nenhum comentário:

Postar um comentário